segunda-feira, 5 de março de 2012

Resumo do Código Da Vinci de Dan Brown

Resumo: O Código da Vinci de Dan Brown

Li este livro no 10º ano escolar e fiz este resumo, acho um livro fantástico que recomendo.

Como um bom e tradicional mistério, toda a história começa com um assassinato.
O assassinato de Jacques Sauniere, o conceituado conservador do museu do Louvre. Assassinado por um albino, um homem grande, uns olhos rosados, que sem dó nem piedade, lhe tentou roubar os conhecimentos e depois de lhe dar um tiro o deixou a agoniar, numa morte lenta. Não era a morte que assustava Jacques, mas sim a verdade que se perderia nos seus conhecimentos.
Na sua agonia Jacques teve de arquitectar uma maneira de passar os seus conhecimentos a outra pessoa, uma mulher, que havia ensinado desde jovem, enchendo-a de conhecimentos perante mistérios, que a tinha criado como neta.
Principal Suspeito: Robert Langdon, professor americano, que estava em Paris para dar uma palestra sobre Simbologia Pagã, Langdon, tinha escrito um livro sobre o Culto da Deusa, o paganismo e todos os mistérios que o culto esconderia. Tinha combinado encontrar-se com Sauniere depois da palestra, julgando que a conversa focar-se-ia no que os apaixonava, Simbolismo, Pintura Religiosa, Os diversos cultos, …, mas Jacques não aparecera.
Robert tornara-se o principal suspeito da policia francesa, Jacques deixara uma mensagem ao lado do seu corpo, e no fim “P.S.: encontra Robert Langdon”, por esse motivo Robert foi levado pela policia até ao Louvre, até ao local onde Sauniere se encontrava, para ver se ele confrontado com o crime ele confessasse.
Entretanto aparece Sophie Neveu, uma agente da policia do, Departamento de Criptologia, da DCPJ, que se revelaria mais tarde a Robert como a neta de Sauniere. Ela percebeu todo o jogo da polícia e ajuda-o a fugir, ela sabia que ele não era culpado, mas o capitão Bezu Fache precisava, rapidamente de um culpado e Robert era a pessoa ideal, quer estivesse culpado ou inocente. Dando inicio a uma grande fuga, enganando o capitão Fache, o Touro, levando-o a perseguir um camião, que levava o transmissor de Langdon que o agente Colet lhe colocara no casaco, num sabonete. Enquanto todos os Agentes perseguiam o camião, Sophie e Robert procuravam mais indícios que Sauniere tivesse deixado, por trás de A Madonna dos Rochedos” encontrou uma chave escondida para si. Juntos conseguiram decifrar os anagramas que lá se encontravam, ao encontrarem a chave deram inicio a uma busca de respostas sem igual, descobriram também que a chave pertencia a um cofre que se encontrava depositado no Banco Depositário de Zurique.
Nesse banco conseguiram descobrir com a chave deixada e como password a Sequencia de Fibonnaci, uma grande caixa onde se encontrava uma mais pequena de madeira, com o símbolo da rosa, a rosa de cinco pétalas, o símbolo do Priorado do Sião que simbolizava o Santo Graal, que julgaram lá se encontrar o Cálice de Cristo, mas não, encontraram um criptex, um pequeno cofre, mas não o puderam abrir, pois tiveram que fugir, ajudados por André Vernet, gerente nocturno do banco, levou-os numa carrinha blindada, pois o cofre tinha uma clausula de fuga de segurança e eles usufruíram dela, embora parecesse boa pessoa, a verdade é que os levou para longe e queria-lhes roubar o criptex, pois aquele cofre era um dos mais velhos daquele banco e ele tinha muita curiosidade, mas o que ele não sabia é que aquele era o plano B do Priorado, caso todos os Senescais fossem mortos ninguém poderia transmitir o segredo de geração em geração, e depois da morte dos pais de Sophie, o seu avô não sabia se teria tempo para lhe dizer toda a verdade, então foi ensinando-a a trabalhar com os criptex e todos os tipos de mistérios e pistas, então assim ela saberia como descobrir através do plano B e o segredo não se perderia, Robert e Sophie conseguiram contornar o problema e deixaram André sozinho e sem transporte, no meio do nada.
Como não conseguiram abrir o criptex, Robert foi pedir ajuda a um seu amigo inglês que vivia em Paris, num grande palácio, Sir Leigh, Teabing para os amigos. Entretanto, Silas, o albino assassino de Sauniere a mando do “PROFESSOR”, com o objectivo, de descobrir o paradeiro da chave de abobada, antes de morrer, Sauniere, Grão-Mestre do Priorado de Sião e os seus três Senescais, mortos nas mesmas condições que ele, contaram a mesma mentira combinada, todos o conduziram para a Igreja de Saint-Sulpice, por baixo da linha da rosa mesmo na base do Obelisco de Sulplice, uma mentira para que ninguém descobrisse a verdade sobre o Priorado do Sião, mas o que esse plano não imaginavam que todos, os quatro estariam mortos, pois nunca esperariam que alguém descobrisse quem eram os quatro chefes do Priorado de Sião, essa mentira quando fosse contada e alguém fosse atrás da chave à igreja a madre responsável por ela, a freira zeladora, deveria tentar contactar todos um dos Senescais ou o Grão-Mestre, ela ficou intrigada quando um monge veio visitar de madrugada a igreja, apesar de o requerimento de autorização para a visita viesse do mais alto nível, escondida vigiava o monge, quando percebeu a sua intenção correu ao quarto para telefonar para os números de telefone que tinha guardado debaixo do seu estrado de madeira, marcou os números, ao tentar contactar os Senescais só encontrou 3 viúvas chorosas e o Grão-Mestre não atendia, deixou a este ultimo uma mensagem no atendedor, contando-lhe que a mentira havia sido contada, neste momento a laje do chão foi partida…
Silas, o monge que se encontrava na igreja e que partiu a laje, percebeu que havia sido enganado, e vai procurar a Irmã, tentando-a obrigar a contar o segredo, mas apesar de saber ela não lhe contou e com a raiva de um homem louco ele matou-a, o ultimo pensamento da freira foi de pura tristeza, só pensou que estavam todos mortos e que o segredo se perderia para sempre.
Silas era o protegido do bispo Aringarosa, presidente da Opus Dei, uma seita católica, profundamente devota, embora controversa, devido ás suas perigosas praticas, conhecidas como mortificações corporais, lavagens cerebrais, etc., Silas foi também o seu primeiro discípulo, quando ele era ainda um padre.
Agora, era o Professor que mandava, Aringarosa e Silas, na entravam em contacto um com o outro, apenas através do dito Professor, visto em troca de uma quantia muito avultada o Professor prometeu-lhe o Santo Graal, e como o Vaticano tentava pôr de lado a Opus Dei, por causa de dar uma má imagem à igreja católica o facto das pessoas auto-castigarem violentamente, e se a Opus Dei tivesse em sua posse o Santo Graal, o Vaticano não poderia afastar a Opus Dei e esta continuaria a ser uma Prelatura do Vaticano. O que ninguém sabia era que o Professor tinha segundas intenções em relação ao Santo Graal.
Voltando à dupla de fugitivos, na companhia de Teabing, tentaram decifrar o conteúdo da caixa da rosa, mas também foi com este que Sophie que o santo Graal não é um cálice (graal) de cálice mas sim cálice de símbolo feminino, ou seja, o Santo Graal era uma mulher, Santo de sagrado, sagrado feminino, a Deusa, o culto do Priorado.
 Ícone original do masculino, conhecido como a lâmina

         Ícone original do Feminino, conhecido como o cálice

         Sophie estava estupefacta, sempre ouvira falar no Santo Graal, como sendo um cálice, agora julgava ser uma mulher, os ossos de Maria Madalena, a esposa de Cristo, tudo lhe pareceu surreal, a história da Igreja querer ocultar o facto de Cristo ser um homem como os outros, mas um príncipe, com esposa, que na altura estava grávida de uma menina, Sara, e que encarregara o Priorado do Sião de cuidar das suas duas princesas.
         Mas eles não tinham mais tempo para explicações, pois através do localizador da carrinha blindada, e Teabing ajudou-os a fugir no seu jipe, no meio do nada, que ele tão bem conhecia, e levou-os para Londres, no seu avião particular, como Fache descobrira da fuga para Londres mandou pôr o aeródromo sob vigilância, mas eles conseguiram enganar todos os policias com um truque de ilusão de óptica, com a ajuda de Rémy, o mordomo de Teabing.
         Julgavam que encontrariam lá O cavaleiro que A Pope enterrara, rumaram em direcção à Igreja construída em Londres pelo braço militar do Priorado do Sião, Temple-Church. Depois de conseguirem entrar na igreja procuraram o cavaleiro que um papa enterrara, enquanto procuravam o tumulo, Rémy, estacionara o Jaguar, e foi aí que se (julgamos nós ao ler) se revelou, Teabing, havia feito Silas prisioneiro, ainda em Paris, e levou-o também para Londres, e tinham colocado Silas na mala do carro, Rémy, foi à traseira do carro e soltou-o, Silas julgou-o o Professor, e ele encarregou-o de ir roubar o criptex a Sophie e Langdon, ao roubarem o criptex levaram também Teabing, mas aí Rémy deu a cara, foi o pior que podia ter feito, pois ninguém sabia que ele pertencia ao lado errado. Este depois do assalto levou Silas a uma residência da Opus Dei, e foi levar o criptex como combinado ao Professor, mas ele tinha-se portado mal, tinha se mostrado e ele era o único que conhecia a identidade do professor, quando Rémy lhe entregou o criptex, o Professor ofereceu-lhe um pouco do seu conhaque, sabia que Rémy era alérgico a amendoins, e o conhaque continha amendoins, mas quando ele reparou já a sua garganta ardia, não conseguia respirar, estava a ser assassinado, ninguém lhe conhecia a cara apenas Rémy, e esse jamais o denunciaria.
         Enquanto Langdon e Neveu foram pesquisar na Biblioteca do Instituto de Pesquisa de Teologia Sistemática, do King’s College, o professor dirigiu-se para o túmulo de Isaac Newton, desde o inicio soubera que eles procuravam no sitio errado, entretanto perceberam que o anagrama não significa a tradução, ou seja A Pope, não significava um papa mas Sir A. Pope, e através da pesquisa as nossas personagens principais descobriram o verdadeiro tumulo, acabaram por se encontrar com o dito Professor, na Abadia de Westminster, quando os viu o Professor escondeu-se mas quando percebeu que sozinho não conseguiria decifrar o segredo do criptex, acabando por os conduzir até ele, quando Robert e Sophie o viram nem queriam acreditar, o Professor não era nem mais nem menos que o velho amigo de Robert, Sir Leigh, o Teabing…
         A polícia conseguiu descobrir Silas na residência, ainda tentou fugir, atirando sobre os polícias, mas o Bispo Aringarosa tinha ido ao seu encontro para o tirar da residência e leva-lo para sua casa, mas quando o encontra ele encontra-se num tiroteio com a polícia, e ao chegar ao lado dele, Silas dispara sobre Aringarosa e quando se apercebe vai em seu auxílio, é atingido por uma bala dos polícias, Mesmo ferido Silas não cede, mesmo ferido pega no Bispo e leva-o para o Hospital, pede-lhe que lhe salvem o amigo e recusa ser tratado, volta a fugir, indo para uns arbustos perto do hospital, rezar pelo seu amigo e protector o Bispo Aringarosa, o seu pai. No dia seguinte, Silas é encontrado morto nos arbustos, toda a tortura corporal a que se sujeitou fez com que não sentisse o quanto dói a bala e morreu.
         Entretanto, a nossa dupla de aventureiros lidava com o “cavaleiro louco” Teabing, perante tanta pressão Robert consegue descobrir a senha do segundo criptex, enganou Teabing e a policia chega e prende Teabing, apesar da nossa dupla pensar que os iam prender a eles, pois o Touro havia lançado um alerta internacional, mas realmente o Touro havia honrado a sua alcunha e farejou toda a tramóia.
         Com a prisão de Teabing, ilibados de todas as queixas, Robert e Sophie partem para a Escócia, para visitarem uma capela também construída pelos templários, cavaleiros do templo (ascendentes do Priorado do Sião), em 1446, onde o papiro do criptex os conduzia, Neveu encontrou uma capela, igual a uma que se lembrava de ter estado com avô, pouco tempo depois dos pais, a avó e o irmão, terem falecido no acidente de viação, as recordações voltaram e teve a certeza de ter estado naquele mesmo sitio, na igreja encontrou um rapaz que servia de guia aos turistas, ao vê-lo aquela imagem tocou-lhe no coração, decidiu ir à procura de alguém que não tinha visto quando lá fora, alguém a quem tinha visto o avô à porta, de uma pequena casa pouco abaixo da capela, a despedir-se de alguém e foi ao seu encontro como se julgasse que algo lhe escondiam.
         Quando viu a mulher não teve dúvidas de quem se tratava, já não a via há muitos anos, era a sua avó, e o rapaz da capela seria o seu irmão? Foi encontrar a sua avó a chorar sobre uma foto do seu avô, ouvira o anuncio da sua morte nas noticias, e chorava o marido, a vida havia-os separado para segurança dos netos, quando souberam que o acidente não fora um acidente anunciaram que os netos iam também no carro, mas Sauniere nunca lhe pode contar a verdade porque ela deixara de falar com o avô, um ano que chegara antecipadamente de ferias da universidade e vira o avô a fazer amor com uma senhora, com muitas pessoas a verem e mascarados, tudo aquilo a assustou e nunca mais falara com o avô, tudo aquilo tratava-se de um culto à deusa mas ela não conseguira até então tirar as imagens da cabeça.
         Todas as mentiras foram quebradas e Sophie ficou na Escócia, enquanto Langdon teve de voltar a Paris, no entanto ficou no ar a promessa de se encontrar algum tempo depois em Florença.
Em Paris, Robert dormiu 2 dias seguidos, acordou ao fim da tarde, pensou em beber um copo, mas decidiu sair do hotel e percorrer a linha da rosa, foi ter ao Louvre, e ai percebeu o primeiro verso, “Sobre a linha da Rosa”, entrou então, no museu, e continuou a seguir o traçado invisível, da linha da rosa e encontrou a pirâmide invertida, e e por baixo, erguia-se uma pequena pirâmide, a única coisa construída, no Louvre, um verdadeiro complexo colossal, a uma escala reduzida, iluminadas pela luz as duas pirâmides apontavam uma para a outra, alinhados, os vértices quase se tocavam. O cálice em cima, a lamina em baixo, “com a lamina e o cálice a montarem guarda severa”, um dia compreenderá, dissera-lhe Marie Chauvel, esposa de Sauniere, que utilizava o seu nome de solteira para afastar os curiosos, o cálice, maior, sobressai perante a lamina, mostrando a insignificância do homem e dando mais ênfase à mulher, ao feminino, Louvre estava dedicado ao culto da Deusa, do sagrado feminino, o santo graal encontrava-se debaixo da linha da rosa, rodeado pelas obras dos grandes mestres, todos eles, grão-mestres do Priorado do Sião, não haveria com certeza qualquer outro lugar melhor para Sauniere vigiar, Robert percebeu tudo, erguendo os olhos, viu através da pirâmide invertida, feita de vidro, um glorioso céu estrelado, “Sobre o céu estrelado repousa”, sim, Robert tinha descoberto o segredo ocultado durante milhares de anos, descoberto a verdade perante a maior mentira da humanidade, a localização exacta do Santo Graal, o corpo de Maria Madalena, com um qual um simples teste de ADN nos diria que ela era uma princesa, com “sangue azul”, esposa de Jesus Cristo, da qual Sophie descendia, a futura grão-mestre do Priorado de Sião, tal como Langdon referia no seu livro, a pequena pirâmide parecia ocultar uma câmara, onde muitos tesouros poderiam ser escondidos, sem querer Langdon, parecia anunciar o seu conhecimento sobre a localização do Santo Graal, daí o próprio grão-mestre ter combinado um encontro com ele, e estava sim, escondido por baixo da pequena pirâmide. Tinha realmente descoberto o mais antigo segredo, tal como o mais bem guardado e protegido.
Lembrou-se então da promessa feita dias atrás, prometera guardar segredo, o santo graal, o seu paradeiro, jamais seria revelado.
Avassalado por uma súbita reverencia, Robert caiu de joelhos, e rezou aos pés de uma mulher ostracizada e maltratada durante anos pela Igreja, tratada como uma vulgar prostituta, a desgraça dos homens, até lhe pareceu ouvir alguém murmurar das profundezas da terra.
A leitura deste livro leva-nos a outras vidas, aprisiona os nossos sentimentos e a vontade de devorar a leitura sem parar, a única direcção possível é ir até ao fim. Chegar rapidamente ao último capítulo, sem paragens, a cada instante apaixonamo-nos e exigimos cada vez mais.
É um livro enigmático. Em cada página, um novo momento de suspense. Romance, é dizer pouco, penso que não lhe dar esse nome. Trata-se da contradição de tudo o que sempre aprendemos na catequese, na igreja. Sabemos que é apenas um livro, mas enquanto não o acabamos não podemos parar para pensar se será verdadeiro ou falso tudo o que lemos, embora vá contra todos os nossos ensinamentos, …, Priorado de Sião, Seitas Católicas, …
A paixão, começa logo nas primeiras linhas, ainda vamos no primeiro capitulo e já não queremos parar, está inter-ligado e nada parece o que é. Chegamos à ultima página e a nossa mente pede mais, mais mistérios, mais enigmas, mais anagramas, mais pistas, mais, e mais, …
Em suma, é um livro fantástico, apaixonante, que eu recomendo vivamente a sua leitura.



1 comentário:

  1. Gostei bastante da história, realmente é sem dúvida uma historia epinotizante não consegui nem por um instante virar a cara.gostava apenas de saber a história e verídica?

    ResponderEliminar

Ola! Gostaste do post? Tens alguma opinião sobre o assunto?
Comenta ;)
Saudações Negras

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...