sábado, 4 de janeiro de 2014

Vida de Uma Recém Licenciada à Procura do 1º Emprego

Eu nunca falei sobre isto aqui no blog, na página sim, mas nunca no blog, talvez porque seja difícil assumir que sou Enfermeira e estou desempregada, quando antes da crise conhecidas minhas mal acabavam o curso eram contactadas por diversos hospitais para trabalhar, no entanto na conjuntura actual em termos de trabalho há falta de enfermeiros nos hospitais, no entanto há enfermeiros em excesso para a verba que existe... Por isso não tenho de me envergonhar, tenho sim de ter paciência e continuar a candidatar-me a tudo o que é anúncio.

É verdade, recém licenciada e à procura de emprego há exactamente 3 meses e 14 dias, a procura não está a ser fácil, apesar de ter terminado o curso há 5 meses e 10 dias, só tive a minha cédula em Setembro, portanto a busca dum trabalho inicia-se com a minha cédula.

Desde que acabei o curso que me venho a martirizar pelo facto de não haver grandes vagas de emprego para enfermeiros a nível nacional.

Ainda me tentei enganar indo fazer o curso de alemão, no entanto, apertou-se-me o esfíncter e não consegui abalar, deixar o amor, a família, o salário também era muito baixo, ao final do mes o ordenado limpo seria apenas mais 200€ que o ordenado de enfermeiro em Portugal, com muitos gastos extras... Além de que iria trabalhar como técnica de enfermagem quando sou Licenciada em Enfermagem (ou seja, abaixo do escalão ao qual estou habilitada) mas acima de tudo porque um ordenado ao fim do mês não ia compensar a frustração e a tristeza de estar longe de tudo quanto amo.

Sei que existem enfermeiros a trabalhar em lares ilegais, sem seguros, sem descontos, a trabalhar por misérias, no entanto eu jamais me sujeitaria a semelhante... porquê? Primeiro jamais trabalharia sem seguro, primeiro porque já tive um acidente num estágio,(que já aqui contei, apesar de muita gente ter destorcido tudo o que eu disse) resultado de um confronto com um doente agitado que acabei por me picar e que poderia ter tido consequências muito más para mim, no entanto tudo correu pelo melhor... mas se há coisa que aprendi nos BVEspinhenses é que 1º Eu, 2º Eu, 3º Eu, 4º Eu,... isto significa que a minha segurança tem de vir sempre em primeiro, segundo, terceiro, e só depois pensar no resto, mas PRIMEIRAMENTE TEMOS DE ESTAR EM SEGURANÇA, como tal eu sem seguro e sem condições não aceito trabalhar, depois temos de trabalhar a declarar tudo e tudo legal, porquê? E se morre um velhinho? Num Lar existem muitos idosos, e o risco de falecerem é enorme e quem se responsabiliza? O enfermeiro que lá trabalha, que vai ficar com a cédula em risco porque estamos a trabalhar por uma miséria, a exercer a nossa profissão de forma ilegal, claro tudo cai em cima do enfermeiro, mas quem trabalha assim não pensa nessas consequências, ou se pensa não quer saber...

No entanto, eu não preciso de me sujeitar a isso, tenho tecto, roupa lavada e comida na mesa, uma família que não me falta com nada, além de um namorado fantástico e um blog que me permite tratar dele como se fosse um emprego.

Agora no início do ano pensava que ia receber uma boa notícia mas ainda não foi para já, fiquei deprimida durante dois dias :) no entanto, tenho de ter calma, há-de aparecer um trabalho decente para mim, entretanto tenho de aproveitar estas férias enormes que provavelmente serão as últimas, assim grandes, de toda a minha vida. 

Afinal eu não sou nenhuma inútil, muito menos incompetente, tive orientadores que me adoraram, doentes que choraram ao dizer-me adeus em fins de estágio, até mesmo no IPO, que era um sítio que para mim foi o meu pior estágio devido ao cariz negativo que o IPO tem na minha vida familiar, tive lá doentes como o sr JB e o I que um me chamava de Menina Mariana, apesar de a Maioria do tempo só ter podido ver os meus olhos, ouvia o meu sorrir e dizia que eu era uma lufada de ar fresco e felicidade, o outro chamava-me de Mau feitio :P, eheh sim, saudades, muitas :) Eu não sou de todo incompetente, aliás sou uma boa Enfermeira, maçarica, afinal acabei de tirar o curso e é a mesma coisa quando se tira a carta :P só ainda nenhum empregador se decidiu a dar-me uma oportunidade de eu mostrar o meu valor :)

Por isso... Bola para a Frente...





4 comentários:

  1. Só lhe desejo boa sorte.
    Quanto a seguros...O seguro da Ordem dá cobertura a eventuais danos provocados aos utentes pelo enfermeiro durante o seu exercício profissional, assim como dá cobertura a custas judiciais. É uma questão de ler a apólice.
    Quanto a danos pessoais... os "empregos" que se vão conseguindo são em regime de prestação de serviços na maioria. Ora sendo trabalhadora independente convém fazer seguro de saúde (que inclui danos físicos temporários, permanentes ou morte).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema Graça que o que eu tenho visto de colegas meus é mesmo a trabalhar ilegalmente, sem contratos sem nada, e a ordem e o seguro da ordem não cobrem essas situações :(

      Eliminar
  2. Claro que no caso de não haver contratos de serviços nem sequer recibos, não há nada a fazer. Cada um tem que assumir os riscos. As pessoas nem sequer sabem no que se estão a meter. Recebem uns tostões e como não têm que declarar nem pagar segurança social, lá vão ficando na babuge.
    A vida não está fácil mas eu preferia trabalhar num supermercado ou lavar escadas ou dedicar-me à costura do que prostituir a profissão.
    Veja o caso dos colegas da saúde 24. Reduzem-lhes o valor hora e as horas de qualidade. Os que não aceitam são despedidos. Mas já vão formar um grupo para entrar em breve ao preço da chuva. Há sempre alguém que aceita estas situações e infelizmente em grande parte dos casos até são acumulações.
    Puxamos para um lado, lutamos por melhores condições, ganhamos pequenas batalhas... mas a guerra é difícil vencê-la!!!
    Durante muitos anos os enfermeiros só olharam para o seu umbigo (na generalidade), preocupados em trabalhar em 2 ou mais locais para comprar carros de topo, casas de topo, férias à grande e agora???
    Estamos todos a pagar principalmente vocês maçaricos, que ou vão para a caixa do Pingo Doce ou emigram ou são empreenderores (raros), senão não há dinheiro para o básico. :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu confesso que tenho pais que neste momento não me faltam com nada, não lhes peço nada, quando quero ir para o Porto e tudo tenho de ser eu a vender umas coisinhas na lojinha para ter o dinheiro, porque casa, roupa lavada e comida na mesa não me faltam, mas tenho uma irmã a estudar e não me podem dispender mais (€)
      no entant mesmo emigrar há que ter cuidado, tenho boa gente a emigrar e a ver-se obrigado a retomar e a pagar valores astronómicos para voltar, não é bonito, viver em escravidão como tenho visto de pessoal que parte para a Bélgica e afins não é fácil, e mesmo para a escravidão :) enfim..

      Eliminar

Ola! Gostaste do post? Tens alguma opinião sobre o assunto?
Comenta ;)
Saudações Negras

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...